Instituto que é referência nacional sobre a síndrome do X-Frágil lança financiamento coletivo para conseguir fazer 600 exames

Um instituto de Curitiba que é referência nacional em auxiliar quem tem a chamada síndrome do X-Frágil lança uma campanha de financiamento coletivo na internet para conseguir fazer 600 exames de diagnóstico. O objetivo do projeto Eu Digo X é arrecadar 255 mil reais com a ação.

A síndrome é pouco conhecida e afeta o desenvolvimento intelectual, o comportamento e provoca atrasos na fala. Ela é causada por uma mutação genética. Mas o diagnóstico é difícil de ser feito porque a síndrome se confunde com outras condições e tem sintomas parecidos principalmente com o do autismo. A Priscila Alves de Souza Cruz da Silva é mãe do Isaac, de 5 anos. Desde os 20 dias de vida, a família descobriu que ele tem paralisia cerebral. Mas, além disso, ele também tem sintomas parecidos com o de autismo.

Como os sintomas são muito próximos, a família está na fila de espera pelo exame genético para saber se o que ele tem é a síndrome do X Frágil.

A Síndrome do X-Frágil afeta principalmente os meninos e é a segunda doença genética que mais incide sobre recém-nascidos. A aflição da Priscila é por não saber o que fazer porque sem o diagnóstico claro ela não consegue procurar o melhor tratamento.

Quem já fez o exame e já tem o diagnóstico claro da síndrome do X-Frágil passa por uma situação diferente.  A microempresária Tatiane Aparecida Nunes Antunes é mãe do Paulo, que, atualmente, tem doze anos. Foi dele o primeiro diagnóstico realizado pelo projeto Eu digo X. Isso foi há cinco anos. Desde muito cedo a mãe teve uma suspeita de que algo não estava bem com o filho. Ele chorava muito, começou a ter dificuldades para andar e tinha um desenvolvimento mais lento para a idade dele. O próprio neurologista não conseguia fechar o diagnóstico. Tatiane conheceu o projeto Eu Digo X por meio de uma propaganda na tv. Foi o instituto que intermediou o exame. Ela conta que ter o resultado fez toda a diferença no tratamento do filho.

O projeto Eu Digo X, que foi criado em Curitiba, pelo Instituto Lico Kaesemodel é referência nacional  em auxiliar as famílias a buscar o diagnóstico. Segundo a gestora do projeto, Luz Maria Romero, o  principal eixo de trabalho é fazer com que as pessoas conheçam a síndrome.

O exame é caro porque é um tipo de exame de DNA e o Sistema Único de Saúde só cobre ele em Santa Catarina e Brasília. Já o projeto Eu Digo X consegue fazer o exame em todo o país. Mas ele tem custo. Se a família não tem dinheiro para pagar o exame, entra numa lista de espera do projeto. O objetivo do financiamento coletivo é ajudar essas famílias a conseguir fazer o exame de diagnóstico de forma gratuita. Isso porque a proposta do projeto é melhorar a qualidade de vida do paciente e dar suporte as famílias de quem tem a síndrome.

Para fazer doações é só acessar o site www.catarse.me/eudigoxevoce?ref=ctrse_explore_pgsearch&project_id=95220&project_user_id=1095050.

A página do projeto para quem quer se informar sobre as características da síndrome do X-Frágil é  www.eudigox.com.br/.

Reportagem: Felipe Harmata

 

FONTE: https://bandnewsfmcuritiba.com/instituto-que-e-referencia-nacional-sobre-a-sindrome-do-x-fragil-lanca-financiamento-coletivo-para-conseguir-fazer-600-exames/

× Possui alguma dúvida?
Search